Entretenimento

Financiamento coletivo

Cantora de Maringá aposta em campanha para gravação de novo EP

Publicado por Redação GMC Online, 17:06 - 09 de janeiro de 2019

Segue até 17 de fevereiro a campanha de financiamento coletivo para a gravação do segundo EP da cantora e compositora de Maringá Rúbia Divino. A ação consiste em angariar R$ 16 mil em investimento na plataforma Cartase, espaço de arrecadação coletiva.


O valor será destinado para gravação, produção e distribuição do “Transborda”, segundo EP da carreira da artista maringaense. O material será lançado em maio. Para contribuir é preciso acessar o site e escolher a melhor forma de financiamento. O valor mínimo é de R$ 10 e preços mais altos são parcelados em até 6x.


Cantora, compositora e produtora cultural, Rúbia Divino contempla nos seus projetos um enlace entre música e resistência, com forte presença do discurso contra a desigualdade social e o racismo. A relação com a música começou aos 9 anos, e aos 20, já se apresentava em eventos independentes em todo o Brasil. Já conhecida no cenário cultural da cidade canção, Rúbia encanta com seu talento, simpatia e sotaque carioca.


A carreira da artista deu salto em 2018 com o lançamento de seu vídeo clipe “Amenidades”, música que compõe o primeiro EP, “(AFRO)ntamento”. A participação em festivais nacionais e internacionais, como o Sonora, iniciativa que reúne mulheres compositoras anualmente na América Latina, bem como a produção do Agô – Festival Afro, realizado em Maringá, com verba de incentivo à cultura do prêmio Aniceto Matti, enlaçaram o ano passado como um dos mais importantes para sua trajetória. 

Bloco de Imagem

Campanha de financiamento coletivo para a gravação do segundo EP da cantora e compositora Rúbia Divino segue até 17 de fevereiro. Foto: Reprodução/Facebook

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo