Maringá

Religião

Frei maringaense se encontra com o papa Francisco, no Vaticano

Publicado por Redação GMC, 11:23 - 08 de novembro de 2018

Bloco de Imagem

Frei maringaense, Afonso Lamberti Obici, ao lado esquerdo do papa Francisco. Foto: Divulgação

O frei maringaense, Afonso Lamberti Obici, se encontrou com o Papa Francisco no Vaticano, na segunda-feira (5). Ele participou da audiência do Santo Padre com o bispo do Óbidos (PA), dom Bernardo Bahlmann, que apresentou ao pontífice o projeto “Barco/Navio Hospital Papa Francisco”.


Nascido em Maringá e dentista, frei Afonso pertence à Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus, de Jaci (SP), onde a ordenação de frei Afonso foi realizada, em 7 de outubro. Já a primeira missa presidida por ele ocorreu na Catedral de Maringá, dia 8 de outubro de 2011.


Ao Vatican News, Bahlmann, explica que o “Barco/Navio Hospital Papa Francisco” é um projeto “ousado” e que vai percorrer mil quilômetros do Rio Amazonas, no Estado do Pará, oferecendo atendimento médico a mil comunidades ribeirinhas em 12 municípios, num total de cerca de 700 mil pessoas. Os atendimentos devem começar a ser realizados em fevereiro de 2019.


“Esse projeto vai levar para as pessoas uma garantia maior de poder ter um atendimento médico e assim tentar melhorar a situação da saúde das pessoas da nossa região”, disse.


A finalidade é levar saúde às comunidades ribeirinhas na região amazônica e atuar na prevenção do câncer, com a realização de exames e triagem para pesquisas em parceria com as Universidades nas patologias de maior incidência na região.


De acordo com o Vatican News, o projeto foi solicitado pelo próprio papa, quando visitou o Hospital administrado pela Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus no Rio de Janeiro, durante programação da Jornada Mundial da Juventude de 2013.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo