Geral

pisca-pisca

Barba 'natalina' vira tendência; veja o que os maringaenses acham dela

Publicado por Luiz Santos, 08:40 - 05 de dezembro de 2018

Uma tendência diferente - e hipster - esteve em pauta na internet nas últimas semanas. Adereços como luzes e bolinhas estão sendo vendidos, pela loja online britânica Firebox, para deixar a barba, digamos, "natalina". O e-commerce é especializado em presentes “excêntricos”.

Bloco de Galeria

Alguns barbudos do mundo afora aprovaram os acessórios. Há pessoas que compraram o adereço e fizeram comentários no e-commerce dizendo que amaram os “enfeites". Mas, tem também quem brinque que esse é o presente perfeito para dar para o cunhado.


O Portal GMC Online conversou com alguns barbudos de Maringá para saber como está a aprovação por aqui. 


Roberto Conejo Junior, estagiário de Publicidade, disse que acha a ideia bem divertida, mas não usaria o acessório. “A não ser que fosse pra algum editorial ou coisa assim”, completa. Ele também considera que sua barba já tem “muita informação” e acredita que talvez não ficaria muito interessante. Veja abaixo:

Bloco de Imagem

Junior considera que sua barba já tem "muita informação". Foto: Arquivo Pessoal

Iago Selem, músico estudante de Comunicação, viu com estranheza o acessório mas considerou “bizarramente legal”. Ele ainda ressaltou que com certeza usaria o enfeite.

Bloco de Imagem

Iago disse que usaria os adereços. Foto: Arquivo Pessoal

Já Alan Augusto trabalha na Barbearia Magalhães. Para ele o Brasil “não vai muito nessa onda”. O barbeiro acredita que os homens gostam mais do “rústico e simples”. Augusto ainda é enfático na sua opinião sobre os pisca-piscas: não usaria o acessório.

Bloco de Imagem

O barbeiro Alan Augusto disse que acredita que o Brasil "não vai muito nessa onda". Foto: Arquivo Pessoal

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo